Síndrome de Burnout: o que é e como evitar na sua empresa
Publicado em outubro 22, 2019

Síndrome de Burnout: o que é e como evitar na sua empresa

A Síndrome de Burnout é uma doença decorrente do esgotamento profissional que pode se transformar, em casos mais graves, em depressão. Esta síndrome é tão séria que, recentemente, a Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou a inclusão dela na revisão da Classificação Internacional de Doenças (CID) e começará a valer em 2022. 

Como esta doença pode reduzir a produtividade e piorar o relacionamento entre os colegas de trabalho, você precisa estar atento(a) aos sinais dos colaboradores. Para ajudá-lo, vamos explicar os principais sintomas e de que forma o RH pode agir. 

O que é a Síndrome de Burnout?

A Síndrome de Burnout, também conhecida como Síndrome de Esgotamento Profissional, é um distúrbio emocional associado a fatores de estresse crônico no ambiente de trabalho. Segundo a pesquisa da Associação Internacional de Manejo do Estresse (ISMA), divulgada pelo jornal Estadão, 72% dos brasileiros ativos no mercado de trabalho sofrem com estresse. Deste total, 32% são diagnosticados com a Síndrome de Burnout. 

A principal causa é o excesso de trabalho, mas essa doença pode se desenvolver, principalmente, em profissionais que trabalham em um ambiente onde:

  • Exercem funções com alta responsabilidade e nível de competitividade;
  • Trabalham em excesso e/ou sob pressão;
  • Têm exigência alta de produtividade;
  • Precisam cumprir muitas horas extras;
  • Não são apoiados pelos chefes; 
  • Possuem objetivos e metas muito difíceis de atingir.

É importante explicar que esta doença pode aparecer em qualquer pessoa independente do cargo e carreira do colaborador. Entretanto, ela é bem comum em profissões que precisam lidar diretamente com outras pessoas como é o caso de atendentes de telemarketing, médicos, professores, jornalistas, advogados, etc. 

Quais são os principais sintomas? 

Segundo o Ministério da Saúde, os principais sinais da doença são: 

Sintomas Síndrome de Burnout

Um dos principais desafios para o diagnóstico da Síndrome de Burnout é a atenção à intensidade dos sintomas. Como os sinais aparecem de maneira leve, muitos colaboradores podem achar que os incômodos vão passar rápido. O ideal é orientá-los a procurar um médico da confiança e fazer um diagnóstico detalhado para indicar se há ou não o risco de burnout

Quais são as consequências da doença?

Quem é diagnosticado com a Síndrome de Burnout tem prejuízo tanto na vida pessoal quanto na profissional. O colaborador pode parecer mais irritado e com desprezo em relação aos colegas de trabalho o que pode prejudicar o relacionamento dele com as pessoas do escritório. 

Como o colaborador não consegue entender e compreender a reação e o sentimento das pessoas ao redor, o relacionamento ruim vira uma bola de neve. A equipe que deveria se unir mais, se separa. O funcionário não fica sabendo das dificuldades e problemas enfrentados pelos seus colegas de trabalho. Por não ter uma boa comunicação interpessoal, o atendimento aos clientes fica prejudicado. 

O funcionário com a Síndrome de Burnout também pode sofrer com a baixa produtividade, porque ele pode precisar faltar mais vezes. Outra consequência comum é a diminuição da qualidade da entrega das demandas, porque o colaborador não consegue se concentrar durante o expediente. Ele também pode ficar mais vulnerável a resfriados e, em casos mais graves, desenvolver um quadro de depressão.

Existe tratamento?

Segundo o Ministério da Saúde, a pessoa diagnosticada com a Síndrome de Burnout pode se tratar com psicoterapia e, até mesmo, com remédios. O tratamento pode trazer os primeiros sinais de melhora com 1 ou 3 meses (dependendo do caso).

Aliado a isso, o colaborador deve fazer uma  alimentação saudável, exercícios físicos, reduzir  a quantidade de tempo utilizando o computador, celular e TV.  Ele deve priorizar atividades relaxantes que servem para aliviar o estresse e a tensão do dia a dia.

O funcionário pode começar com algumas atitudes simples como evitar falar com colegas de trabalho que reclamam de tudo e procurar desabafar com pessoas de confiança. 

É possível prevenir a Síndrome de Burnout? 

Como falamos acima, mudar os hábitos é uma das melhores maneiras de evitar a doença. O ideal é incluir estratégias que minimizem o grau de estresse e pressão durante o expediente. Nós separamos algumas dicas de prevenção da Síndrome de Burnout:  

como prevenir a síndrome de burnout

O que o RH pode fazer em relação à Síndrome de Burnout?

Há muitas maneiras do RH ajudar a evitar e/ou reverter a Síndrome de Burnout. A primeira delas é saber os principais sintomas. Depois disso, o profissional da área de Gestão de Pessoas pode propor algumas mudanças para melhorar o ambiente de trabalho, criar um canal de comunicação interna e reconhecer os funcionários. A seguir, iremos detalhar cada uma dessas ações: 


1. Identificar os sintomas: 

Depois de saber quais são os sintomas da Síndrome de Burnout, vai ficar muito mais fácil identificar os colaboradores com o maior risco de desenvolver a doença. Instruí-los a buscar um tratamento adequado pode, em pouco tempo, trazer algumas melhorias como: diminuição do estresse e cansaço, maior produtividade no trabalho e aumento da confiança. 

2. Melhorar o ambiente de trabalho: 

Outra medida efetiva é tornar o ambiente de trabalho mais agradável com algumas atitudes: 

  • Orientar os gestores sobre a melhor maneira de tratar a equipe;
  • Verificar se há muitas horas extras de trabalho realizadas;
  • Avaliar os recursos e a estrutura oferecidos ao funcionário;
  • Fazer ações que reconheçam a importância do colaborador para a empresa.

Neste caso, o ideal é fazer avaliações e pesquisas para identificar quais medidas podem trazer efeitos positivos para os colaboradores. 


3. Utilizar a Comunicação Interna: 

Uma das maneiras de valorizar o colaborador e criar um sentimento de pertencimento é com a comunicação interna. Criar um canal (como é o caso do e-mail marketing e intranet) pode ajudar o colaborador a se sentir mais próximo dos seus líderes e a entender o que a companhia espera dele. Com a Comunicação Interna, a empresa consegue verificar a satisfação do seu quadro de colaboradores em relação ao trabalho.


4. Valorizar os funcionários: 

É sempre bom relembrar sobre a importância da valorização do quadro de colaboradores. O ideal é criar ações motivacionais para reconhecer a atuação deles na empresa. Você pode escolher oferecer benefícios, aumento de salários, plano de carreira entre outras ações para manter os funcionários motivados

Concluindo…

A Síndrome de Burnout é uma doença séria que merece a atenção, principalmente, de quem trabalha na área de RH. São profissionais, como você, que podem identificar as principais causas ou situações que podem afetar as equipes. Por isso, é fundamental saber quais são os sintomas e criar ações efetivas para melhorar o ambiente de trabalho, a comunicação interna, etc. 

Gostou do nosso conteúdo? Então, não deixe de conferir o artigo “Improdutividade: 5 alternativas antes da demissão do funcionário

Categorias:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *